SONHANDO COM A ARTE

SONHANDO COM A ARTE

quinta-feira, 23 de maio de 2013

Estudando sempre....



 ORIENTAÇÕES CURRICULARES E PROPOSTAS PEDAGÓGICAS



Formação de professores e apropriação de modos historicamente elaborados de pensar, sentir e 
agir na educação infantil 
Podemos dizer que, em termos históricos, é 
recente a incorporação da Educação Infantil 
no âmbito educacional. Essa novidade gera 
uma série de debates sobre qual é a identidade e qual é a função deste segmento educacional. Estas discussões também envolvem 
uma reflexão sobre qual o perfil e quais as 
competências que os professores precisam 
desenvolver para melhor atender às necessidades e aos desafios colocados pelo atendimento de crianças tão pequenas em espaços 
coletivos.
Para a definição deste perfil, o debate acumulado na área tem trazido a necessidade 
de pensarmos o cuidar e o educar como dimensões indissociáveis de todas as ações do 
professor de Educação Infantil, em especial 
dos que atuam nas creches. Mas como incorporar esta dimensão nos cursos de formação 
inicial e continuada destes profissionais? Isto 
implica necessariamente uma revisão e reflexão sobre o que se entende por ensino neste 
âmbito educacional e no desafio de conciliar 
teorias e práticas pedagógicas. 
Os programas de formação docente para Educação Infantil hoje têm como importante tarefa ajudar os professores a saírem do lugar 
de mudança de discursos para mudança de 
procedimentos e atitudes. Para tanto, é preciso incorporar aos processos formativos uma 
articulação entre os aspectos políticos do trabalho educacional e as discussões sobre as 
formas mais eficientes de ação pedagógica, de 
maneira a ajudar os professores a construírem 
seus conhecimentos a partir da apropriação e 
de reflexão de novas formas de trabalhar com 
as crianças. Desta maneira, os programas de 
formação precisam contemplar situações para 
que os professores construam e visualizem o 
papel político da sua atuação, tenham oportunidades para se apropriarem de conceitos e 
habilidades para uma atuação promotora de 
aprendizagem e desenvolvimento e participem 
de situações em que possam ser incentivados a 
examinarem o modo como agem e reagem nas 
interações que estabelecem com as crianças, 
famílias e coletivo de profissionais no interior 
das instituições educacionais. Podemos dizer 
que o grande desafio da formação de profes-13
sores se coloca na possibilidade de ajudá-los a 
se assumirem como protagonistas de seus processos de crescimento profissional e pessoal. 
Os textos 1, 2 e 3 também são referenciais para 
o quarto programa, com entrevistas que refletem sobre esta temática (Outros olhares sobre a 
Educação de crianças em creches) e para as discussões do quinto e último programa da série 
(Educação de crianças em creches em debate).


BIBLIOGRAFIA:


AMORIM, Katia de Souza; VITORIA, Telma; 
ROSSETTI-FERREIRA, Maria Clotilde. Rede 
de Significações: perspectiva para a análise 
da inserção de bebês na creche. Cadernos de 
Pesquisa, São Paulo, n. 109, mar. 2000, pp. 
115-144. Disponível em: http://www.scielo.
br/pdf/cp/n109/n109a06.pdf
AMORIM, Katia de Souza; CARVALHO, Ana 
Maria A.; ANJOS, Adriana M. dos;
 ROSSETTIFERREIRA, Maria Clotilde; VASCONCELOS, 
Cleido Roberto F. A incompletude como virtude: interação de bebês na creche.
 Psicologia: Reflexão e crítica. v. 16, n.2. Porto Alegre, 
2003. Disponível em: http://www.scielo.br/
pdf/prc/v16n2/a09v16n2.pdf 
AMORIM, Kátia de Souza; CARVALHO, Ana 
Maria A.; ROSSETTI-FERREIRA, Maria Clotilde;
 SILVA, Ana Paula S. (orgs.) Rede de Significações. Porto Alegre: Artmed, 2004.
ANGOTI, Maristela (org.). Educação infantil: 
da condição de direito à condição de qualidade 
no atendimento. Campinas, SP: Editora Alí-
nea, 2009. 
BARBOSA, Maria Carmem S.; HORN, Maria 
G. S. Projetos Pedagógicos na Educação Infantil. Porto Alegre: Artmed, 2007. 
BARBOSA, M. C. S. Por amor e por força: rotinas na educação infantil.
 Porto Alegre: Artmed, 2006. 
BONDIOLI, Anna; MANTOVANI, Susanna. 
Manual de educação Infantil. De 0 a 3 anos. 
9ª ed. Porto Alegre: ArtMed, 1998.
BONDIOLI, Anna (org.). O projeto pedagógico 
da creche e sua avaliação: a qualidade negociada.
 Campinas: Autores Associados, 2004.
BRASIL. Parâmetros Nacionais de Qualidade 
para a Educação Infantil/MEC/SEB. Brasília, 
DF, 2006.
BROUGÈRE, Gilles. Brinquedo e cultura. São 
Paulo: Cortez Editora, 2008.
CAMPOS, Maria M. e ROSEMBERG, Fúlvia. 
Critérios para um atendimento em creches que 
respeite os direitos fundamentais das crianças.14
Brasília: MEC/SEB, 6ª.ed, 2009. Disponível 
em http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/
direitosfundamentais.pdf
CARVALHO, Alysson; SALLES, Fátima; GUIMARÃES, Marília; DEBORTOLI (orgs). Brinca(res). 
Belo Horizonte: Editora UFMG, 2005.
CECCON, Claudius; CECCON, Jovelina P. A 
Creche Saudável. Porto Alegre: Editora Artes 
Médicas, 2000. 
CESISARA, Ana Beatriz. Professoras de Educa-
ção infantil: entre o feminino e o profissional.
São Paulo: Cortez Editora, 2002. 
CRAIDY, Carmen; KAERCHER. Gladis C. Educação Infantil – pra que te quero? São Paulo: 
Editora Artmed, 2001. 
CRUZ, S. H. V. (org.). A criança fala: a escuta de 
crianças em pesquisas. São Paulo: Cortez, 2008. 
EDWARDS, Carolyn; GANDINI, Lella. Bambini: a abordagem italiana à educação infantil. 
Porto Alegre: Artes Médicas, 2002. 
EDWARDS, Carolyn; GANDINI, Lella; FORMAN, George. As cem linguagens da criança: 
a abordagem de Reggio Emilia na educação da 
primeira infância. Porto Alegre: Artmed, 1999.
FALK, Judit. Educar os três primeiros anos: a experiência de Lóczy. (Tradução de Suely Amaral 
Mello). Araraquara (SP): JM Editora, 2004.
FARIA, Ana Lúcia Goulart de. Educação pré-
escolar e cultura: para uma Pedagogia da 
Educação Infantil. Campinas (SP): Editora da 
UNICAMP e Cortez Editora, 2002. 
______.O coletivo infantil em Creches e Pré-
escolas – falares e saberes. São Paulo: Cortez 
Editora, 2007. 
FARIA, Ana Lúcia Goulart de e MELLO, Suely Amaral (orgs.). Linguagens Infantis: outras 
formas de leitura. Campinas: Autores Associados, 2005.
FORMOSINHO, J.O. Modelos Curriculares 
para a educação de Infância. Porto: Porto Editora, 2002. Coleção Infância.
GOLDSCHMIED, Elinor; JACKSON, Sonia. 
Educação Infantil de 0 a 3 anos. Porto Alegre: 
Editora Artes Médicas, 2008. (2ª edição). 
HORN, Maria da Graça Souza. Sabores, cores, sons, aromas: a organização dos espaços 
na educação infantil. Porto Alegre: Artmed, 
2004.
KRAMER, S.; LEITE, Maria Isabel; NUNES, 
Maria Fernanda; GUIMARÃES, Daniela. Infância e Educação Infantil. 7. ed. Campinas: 
Papirus, 2008. 
KUHLMANN JR., Moysés. Infância e Educação 
Infantil: uma abordagem histórica. Porto Alegre: Mediação, 1998.15
MELLO, Ana Maria de Araújo e colaboradores. O dia a dia nas creches e pré-escolas: crô-
nicas brasileiras. Porto Alegre: Artmed, 2009. 
Ministério da Educação. Indicadores da Qualidade na Educação Infantil. Brasília: MEC/
SEB, 2009. Disponível em http://portal.mec.
gov.br/dmdocuments/indic_qualit_educ_infantil.pdf 
_________________. Práticas cotidianas na 
educação infantil: bases para a reflexão 
sobre as orientações curriculares. Relató-
rio do Projeto de Cooperação técnica MEC 
e UFRGS para a Construção de Orientações 
Curriculares para a Educação Infantil. Consultora Maria Carmen Silveira Barbosa. Brasília: MEC/SEB, 2009. Disponível em http://
portal.mec.gov.br/index.php?option=com_
docman&task=cat_view&gid=327&limit=5&
limitstart=430&order=date&dir=ASC
MUSATTI, Tulia. Programas educacionais 
para a pequena infância na Itália. Revista 
Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n.24, 
p.66-77, 2003. Disponível em http://www.
scielo.br/pdf/rbedu/n24/n24a06.pdf
OLIVEIRA, Zilma M. R. Como definir uma pedagogia que oriente o trabalho em creche. 
Pátio- Educação infantil, Porto Alegre, ano V, 
n. 13, p. 14-16, 2007.
OLIVEIRA, Zilma M. R. Educação infantil: muitos olhares. São Paulo: Cortez Editora, 1994. 
OLIVEIRA, Zilma M. R.; MELLO, Ana; VITÓ-
RIA, Telma; ROSSETTI-FERREIRA, Maria Clotilde. Creches: crianças, faz de conta & Cia. 
Petrópolis: Vozes, 2001. 
RAMOS, Tacyana Karla Gomes & Rosa, Ester 
Calland de Sousa (orgs.). Os saberes e as falas de bebês e suas professoras. Secretaria de 
Educação, Esporte e Lazer da Prefeitura de 
Recife: Fundação de Cultura Cidade de Recife, 2008. 
ROSEMBERG, Fúlvia; CAMPOS, Maria Malta; 
FERREIRA, I. M. Creches e pré-escolas no Brasil. 3. ed. São Paulo: Cortez Editora, 2001. 
ROSEMBERG, Fúlvia. Organizações multilaterais, estado e políticas de educação infantil. Cadernos de Pesquisa, Fundação Carlos Chagas, São Paulo, n. 115, p. 25-64, 2002. 
Disponível em http://www.scielo.br/pdf/cp/
n115/a02n115.pdf
ROSSETTI-FERREIRA, Maria Clotilde; MELLO, 
Ana; VITORIA, Telma; GOSUEN, Adriano; 
CHAGURI, Ana Cecília (orgs.). Os fazeres na 
Educação Infantil. São Paulo: Cortez Editora, 
2009 (11ª edição). 
SCHMITT, Rosinete. Mas eu não falo a língua deles! As relações sociais de bebês em 
creche. Dissertação de Mestrado - Programa 
de Pós-Graduação em Educação, Centro de 
Ciências da Educação, UFSC, Florianópolis, 
2008. 16
SIMÃO, Márcia Buss; ROCHA, Eloisa Acires C. 
Crianças, infâncias, educação e corpo. Nuances, 
Presidente Prudente, v. 15, p. 185-206, 2007.
KISHIMOTO, M. Tizuko. O Brincar e suas teorias. São Paulo: Pioneira, 1998. 


REVISTAS 
Revista Pátio Educação Infantil – Organizada pela Faculdade de Educação 
– PUC – RS. Editora Artes Médicas Sul. 
Email: artemed@pro.via-rs.com.br
Revista Criança. Publicada pelo MEC 
(distribuição gratuita). 
Revista Mente e Cérebro – Série: A 
Mente do Bebê. Composta por 4 edi-
ções especiais. Editada pela Ediouro, 
Segmento - Duetto Editorial LTDA., São 
Paulo, SP. 
Revista Eletrônica Zero a Seis – Editada pelo Núcleo de Estudos e Pesquisas da Educação na Pequena Infância 
– Centro de Ciências da Educação – 
UFSC. Eletrônica http://www.ced.ufsc.
br/~zeroseis/
Número Especial da Revista Psicologia 
da USP: “Um olhar multidisciplinar sobre as crianças de 0 a 3 anos: pistas e 
desafios para a educação infantil”, nú-
mero 20, vol. 3, 2009


VÍDEOS: 
Bebê interage com Bebê? Vídeo realizado pelo CINDEDI (FFCLRP/USP).
Programa Canto na Tela. Vídeos realizados pelo CINDEDI (FFCLRP/USP) e 
Creche Carochinha/COSEAS-USP: 1) O 
fazer do bêbê; 2) Processos de adapta-
ção na Creche; 3) Nanando na Creche; 
4) O lobo que virou bolo: práticas educativas alimentares; 5) O conto que as 
caixas contam; 6) Ambiente; 7) Fazendo arte na Creche.

CORES... MIL CORES...

CORES... MIL CORES...

2014 ..."SOU CRIANÇA ...SOU ARTEIRO ...SOU ARTISTA"...

2014   ..."SOU CRIANÇA ...SOU ARTEIRO ...SOU ARTISTA"...

Pesquisar este blog